terça-feira, 17 de junho de 2014

Alunos do Feliciano Pires no Clube de Autores


Alunos do Ensino Médio da E.E.B. Feliciano Pires, na disciplina Literatura e Língua Portuguesa, sob a orientação da professora Rosinei Ana Cugik dos Reis produziram textos que juntos constituíram um Livro e que foi postado no site do Clube de Autores com o título Somos Escritores.

Clique em Somos Escritores - 2º Ano I




sexta-feira, 13 de junho de 2014

ÓCULOS CLIMÁTICOS

Em tempos de mudança climática vemos que os desastres estão ficando mais sérios, porque são mais frequentes do que antes. Diz o prefeito de Timbó, "em seis anos de mandato, quatro enchentes de grande porte atingiram nosso município." 
As chuvas de mais de 300 mm  = acima de 300 L/m2  em menos de dois dias, no planalto norte de Santa Catarina e também no vale do rio Benedito, no vale do Itajaí, são algo alarmante. Para recordar, em 2008 caíram 500 mm = 500 L/m2  em dois dias. Gerou aquela catástrofe, e agora novos valores elevados de precipitação e danos materiais são verificados.
Já não podemos mais evitar a mudança climática. Temos que nos adaptar a ela. Estamos em tempo de aprender a Adaptação Baseada nos Ecossistemas (ABE) - palavras estranhas que logo deverão entrar no vocabulário diário dos planejadores e fazedores de política - isto é, devemos procurar nos adaptar aos tempos de mudanças, pois a previsão  é de que até 2040 a temperatura média no Sul do país aumente de 2 a 4 graus e as chuvas aumentem entre 5 a 10%, na forma de chuvas intensas e irregulares (dados de Jose Marengo, do INPE). Estas mudanças têm implicações na agricultura, nos transportes, na saúde, e também na ocorrência de eventos extremos e, portanto, muitas pessoas e comunidades irão perder e sofrer.
Como adaptar-se a estas mudanças? O Ministério do Meio Ambiente, em cooperação com o Ministério do Meio Ambiente da Alemanha, está desenvolvendo o Projeto Biodiversidade e Mudanças Climáticas, que aplicará 62 milhões de reais, cujos  objetivos abrangem a inserção da adaptação às mudanças climáticas nas políticas públicas brasileiras. A metodologia que estás sendo divulgada para promover esta adaptação é chamada internacionalmente de AbE - Adaptação baseada em Ecossistemas. Não é difícil; ela trata de olhar o futuro por meio dos "óculos climáticos", e a partir disso busca promover políticas mais sustentáveis, ampliando e potencializando os serviços ambientais.
A região Sul do Brasil terá cada vez mais intensos e frequentes eventos de chuvas torrenciais, com consequentes enxurradas e enchentes violentas e em níveis não comuns, além de vendavais e granizos, bem como secas, ou seja momentos de intensas mudanças. Que medidas os municípios e estados podem aplicar para reduzir o potencial de danos? Isso precisa ser discutido e definido em cada plano diretor, em cada plano de desenvolvimento, em cada projeto público ou particular, levando à inclusão de medidas adaptativas, isto é, que atenuam os efeitos das mudanças sobre as cidades e sistemas.
Na prática, a adaptação vai nos levar a não reduzir a distância dos cursos d'água previstos pelo código florestal para as áreas rurais e urbanas - seria atirar as pessoas e as culturas dentro de um rio ou ribeirão com intensa enxurrada (uma irresponsabilidade).
A adaptação vai nos levar a não reduzir nem proibir a criação de novas unidades de conservação - tais como parques nacionais, reservas entre outros... isso seria destruir o cobertor que nos protege e protegerá;
A adaptação vai exigir gestores e cidadãos que conheçam mais e mais os serviços ecossistêmicos e protejam as Unidades de Conservação já criadas e demais áreas florestais naturais, pois são elas que oferecem os serviços ecossistêmicos;
A adaptação vai exigir gestores de meio ambiente dos municípios, estados e união que não cedem as margens dos córregos, as encostas e áreas verdes nas cidades à especulação imobiliária, pois cada mancha de floresta será nossa proteção nas ondas de calor, nos momentos de seca e nos períodos de chuva intensa, pois a questão é: como podemos nos proteger melhor das secas e das chuvas intensas?
A adaptação vai exigir cabeças menos consumistas, pois precisamos frear este danoso consumo de supérfluos que move uma indústria de supérfluos.
O tempo agora é o de árvores na cabeça, como mostrou o artista o qual desconhecemos.


Texto de Dra. Lucia Sevegnani.
A foto da enchente na várzea no Garcia é de autoria de Lucia Sevegnani. 


segunda-feira, 9 de junho de 2014

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Educando para a Criatividade

Há algum tempo atrás, as escolas proporcionavam aos alunos, visitas a museus, parques, zoológicos, praias, banhos de piscina em parque aquáticos.  As famílias entregavam seus filhos com confiança aos cuidados da direção e professores. Era muito importante proporcionar ao aluno uma educação integral e com diferentes estratégias de aprendizagem. A confiança nas escolas e nos profissionais da educação aos poucos foi acabando, não sabemos em que momento essa relação se desfez.  
As escolas se retraíram, procurou-se não mais levar os alunos para viagens de estudo. Inúmeras foram às desculpas: financeiro, segurança, falta de profissionais capacitados. A escola mudou, as crianças mudaram; já não vivem mais em casas com amplos jardins, não andam de bicicleta, não vão a pé  à escola, não se reúnem mais nos finais de semana para jogar bola. O que se percebe é que essas crianças e jovens tornaram-se desmotivados, agressivos em alguns casos, nada mais lhes causa prazer.  Já não sabem mais brincar se não for ao computador ou celular e com isso  estão   perdendo  a criatividade. Segundo Torre (2013) a “criatividade é a decisão de fazer algo pessoal e valioso para a satisfação própria e benefícios dos demais”.
 A estimulação à criatividade é uma responsabilidade social e educativa.  Assumindo nosso papel social e de educador é que propomos uma nova forma de aprender, fora das salas de aulas. Para Einstein “a arte mais importante de um professor é saber despertar em seus educandos a alegria de criar e de conhecer”. O conhecimento não é mais produzido no interior das salas de aula, mas vem de fora para dentro.  O aluno precisa conhecer outras formas de aprender e nós professores precisamos aprender novas formas de ensinar.
No início de 2014 planejamos nossa primeira viagem de estudos com alunos do primeiro ano do ensino médio. Iniciamos com esse grupo, pois, é fato que ao longo dos bimestres muitos desistem dos estudos por motivos: financeiros, de trabalho, ou porque a escola não oferece nada de atrativo, a não ser um ponto de encontro social. Nosso aluno precisa estar na escola, estudando, conhecendo, criando.  Assentados nesses objetivos é que nos professores do ensino médio criamos um projeto que possibilita a saída dos alunos em viagens de estudo, visando uma formação interdisciplinar e transdisciplinar.  Fazendo com que as relações de teoria e prática tornem-se próximos.
No mês de maio aconteceu a primeira viagem de estudo a Florianópolis, onde os alunos conheceram a praia Costão do Santinho e puderam registrar com imagens fotográficas as pinturas rupestres. Posteriormente foram ao centro da cidade de Florianópolis tiveram o privilégio de conhecer o mercado público municipal e visitar o museu do corpo humano.
Para muitos alunos, foi uma oportunidade única, pois nunca tinham visitado Florianópolis. Segues alguns depoimentos:
“A viagem foi extremamente interessante [...] Para mim, a exposição do corpo humano foi o melhor da viagem, pois aprendemos muito sobre o assunto. Você ver o corpo humano foi demais! Muito bom, espero ter mais viagens”. Marlon K de Souza – 15 anos -1a V
“O Padeiro de Sevilha achei muito bom estar, até por ser uma padaria com jardins nos fundos. O Padeiro de Sevilha traz o sabor das padarias europeias com muitos detalhes nos sabores de suas produções alimentícias”. Victor Gabriel Vedovetto – 14 anos – 1a V
“ A viagem para Florianópolis foi proveitosa , uma ótima viagem em grupo. Souberam escolher muito bem os lugares, além de ser um passeio de estudos, foi muito  divertido. Fizemos novas amizades” Tuane Vargas – 14 anos.
“Gostamos muito da praia Costão do Santinho, pois além da praia ser bem calma é bem limpa. A vista  era linda! A exposição do corpo humano também foi muito legal. O shopping foi tudo de bom, muito chique!. Nos divertimos muito”. Joice Rayane Barbosa e Roseli Vargas – 15 anos - 1a V.
“Eu gostei do passeio, pois além de ser um passeio de estudos, podemos conhecer lugares que não conhecíamos e perceber que estudo não é só em  sala de aula, mas em tudo” Letícia Isabele Morais da Silva – 15 anos – 1a V.
Por fim, durante todos os momentos, os professores puderam interagir com os alunos, trocando ideias, experiências, risos e sorrisos.
Aos professores Ana Maria Quinoto Imhof (biologia), Márcia Antônia Moreira (química), Berenice da Silva Lemos (história), Djanira Tatiane Gartner (arte), Rosinei Ana C dos Reis (língua portuguesa e literatura), Evandro Dalmarco (Educação Física), que abraçaram essa iniciativa, um muito obrigado.


Ana Maria Quinoto Imhof (MSC)

Costão do Santinho      Arquivo: professora Djanira Tatiane Gartner 2014

Costão do Santinho      Arquivo: professora Djanira Tatiane Gartner 2014

Professores do projeto – Educando para criatividade   Arquivo: professora Djanira Tatiane Gartner         2014

“O Fantástico Corpo Humano” e Mercado Público

No dia 21 de maio de 2014 os alunos das segundas e terceiras séries do Ensino Médio da Escola de Educação Básica Feliciano Pires, acompanhados dos professores: Aldo Antunes (sociologia), Ana Maria Quinoto Imhof (biologia), Márcia Antônia Moreira (química), Berenice da Silva Lemos (história), Djanira Tatiane Gartner (arte), Rosana Knihs (biologia), Scheila Fantini Vargas (assistente de educação), Roseani de Oliveira (inclusão social) Visitaram a  exposição “O Fantástico Corpo Humano”,  em Florianópolis  no Beiramar Shopping  e o Mercado Público.
O Corpo humano é uma viagem completa pela anatomia humana por meio de 12 corpos e 150 órgãos reais. Essa é a proposta da exposição “Os corpos passaram por um complexo processo chamado plastinação, que envolve a retirada de toda água e gordura do corpo, sendo substituídos por polímeros plásticos coloridos. Dessa forma, os corpos não cheiram e não se decompõem - e até retêm a maioria de suas propriedades originais. Por essa razão, as espécimes são consideradas perfeitas e é possível ver características anatômicas com grandes detalhes, como por exemplo, a árvore respiratória do pulmão ou a enorme quantidade de vasos sanguíneos do corpo, assim como músculos e ossos.
Após o momento de estudo os alunos fizeram uma caminhada no Shopping, observando o tipo de comércio e o público que o frequenta..
No período da tarde conheceram o Mercado Público construído no século XVIII O prédio que hoje abriga o Mercado Público de Florianópolis foi construído em frente à Alfândega no ano de 1898, em substituição ao antigo mercado, o qual foi demolido em 1896 após 45 anos de funcionamento. Sua construção e localização entre os ano de 1791 e 1848, foi motivo de acirrados debates entre os chamados “barraquistas” e os “judeus” e posteriormente  originou os dois primeiros partidos políticos de Santa Catarina.
O Mercado Público é considerado  um dos espaços mais democráticos da Ilha, talvez pelo fato de reunir em um só endereço artistas, políticos, boêmios e pessoas simples, sem distinções. Depois de conhecer esses espaços diferenciados teceram suas ponderações.


Ana Maria Quinoto Imhof (MSC)
  Mercado Público -   Arquivo: Djanira T. Gartner/2014
“O Fantástico Corpo Humano” Arquivo: Djanira T. Gartner /2014
 
Ponte Hercílio Luz - Arquivo: Djanira T. Gartner/ 2014

Arquivo: Djanira T. Gartner/2014

quarta-feira, 19 de março de 2014

MOSTRA DE ANIMAIS SILVESTRES

E março começou cheio de curiosidades e conhecimentos...
Alunos dos 4ºs e 5ºs anos do Ensino Fundamental prestigiaram a “Mostra de Animais Silvestres” trazida à nossa escola pelo SESC, com animais empalhados, que despertou a curiosidade de todos, que queriam ouvir atentos as informações sobre cada animal: sua espécie, habitat, alimentação, hábitos, características, etc.

Valeu, Profªs Kamille, Maria Cândida e Claudia















ESSES PEQUENOS... COMO APRENDEM E SE DIVERTEM... ISSO É EDUCAÇÃO!!!

Alunos dos 4ºs e 5ºs anos do Ensino Fundamental, acompanhados pelas Profªs Kamille, Claudia, Maria Cândida, Kátia e Raquel marcaram presença na apresentação do espetáculo “Esses Viajantes e suas Historietas”, com contação de histórias do grupo Cia Arte Negus (SP).

O espetáculo aconteceu no dia 14/03, no Colégio Cônsul, e nossos alunos vivenciaram esse momento cultural cheios de vontade e participando ativamente do espetáculo, e cantaram muito bem viu...














terça-feira, 26 de novembro de 2013

Calendário Final de 2013

04.12.2013: “Feliciano em Festa”.
Encerramento do ano letivo com a presença dos pais – 19:00 horas.
Não haverá aula nos períodos vespertino e noturno.

05.12.2013: Conselho de Classe.
06.12.2013: Circo na Escola – valor R$5,00 (cinco reais).
09.12.2013: Resultado final aos alunos.
10.12.2013: Recuperação de Estudos.

Exames Finais
11.12.2013
12.12.2013
13.12.2013
16.12.2013
Ensino Médio clique aqui 
Ensino fundamental clique aqui

17.12.2013: Conselho de Classe Final.
18.12.2013: Resultado final aos alunos.
19.12.2013: Solenidade de Formatura.
 
Fórmula para Aprovação com Exame:
 
(Média anual dos bimestres x 1,7) + (Nota do Exame Final x 1,3) > 14 pontos.
 
Exemplo:
Média anual = 5,0
Nota do Exame = 4,5
Pontos = (5 x 1,7) + (4,5 x 1,3)
Pontos =  8,5 + 5,85
Pontos = 14,35 > 14 ==> APROVADO
 

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Professora Kamille no RBS Notícias

Veja aqui  a matéria referente a professora Kamille que foi ao ar no RBS Notícias em 19.11.2013 às 19:00 hrs.

Para votar quantas vezes você quiser clique aqui.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Professora Kamille no Jornal Impresso.



 Hoje, 19.11.2013, a professora Kamille Khristiny Meneses de Oliveira da EEB Feliciano Pires saiu em todos os jornais impressos do grupo RBS. Foi uma página totalmente dedicada ao projeto executado em  nossa escola e que foi inscrito no Premio RBS de Educação. Não se esqueça... você tem um compromisso de votar no projeto para que seja o vencedor do premio, porque ele é finalista, tendo ficado entre os 3 melhores do estado na categoria Escola Pública. Clique para votar aqui.
Veja aqui a matéria publicada.